Usinas
Usina Hidrelétrica Mascarenhas de Moraes
Compartilhar
Nome
Usina Hidrelétrica Mascarenhas de Moraes
Categoria
UHE
Município/Estado
Ibiraci, Minas Gerais
Localização
Região
Sudeste
Potência
476 MW
Data de Construção
1952
Inauguração
1957
Histórico

Em 1952, tiveram início as obras de construção da usina hidrelétrica de Peixoto (atual Marechal Mascarenhas de Morais), no trecho do rio próximo à divisa de São Paulo com Minas Gerais. No entanto, sua história data de 1947, quando a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) sofria com o esgotamento da sua capacidade de geração.

Estudos realizados numa bacia de drenagem, com 59.600 km², indicaram os benefícios da construção da barragem, permitindo, assim, a regularização das descargas do rio Grande.

Localizada entre as usinas de Furnas (a montante) e Luiz Carlos Barreto de Carvalho (a jusante), a Usina Mascarenhas de Moraes está entre dois grandes complexos energéticos. A primeira unidade geradora da usina foi oficialmente inaugurada em abril de 1957. Em 1960, já com quatro unidades em operação, Peixoto contava com 192.000 kW de capacidade instalada. 

Foi em dezembro de 1968 que Peixoto recebeu nova denominação: Usina Marechal Mascarenhas de Moraes. Somente em 1º de agosto de 1973, por determinação da Eletrobras, a usina passou a ser operada por FURNAS.


Dados técnicos


Barragem 

  • Tipo: arco e gravidade
  • Desenvolvimento no coroamento: 600 m
  • Elevação no coroamento: 669,12 m
  • Volume total: 800 mil m³


Reservatório

  • Nível normal de operação: 666,12
  • Nível de máxima cheia (Nível máximo maximorum): 666,92
  • Nível de desapropriação: 668,62 m
  • Nível mínimo de operação: 653,12
  • Área inundada: 250 km²
  • Volume total: 4,04 bilhões m³
  • Volume útil: 2,5 bilhões m³


Tomada d'Água 

  • Comportas tipo vagão
  • Quantidade: 10
  • Altura d’água sobre a soleira: 22 m
  • Largura: 7,08 m
  • Altura: 6,15 m
  • Fabricantes: 1 a 3 - Paceco (USA) / 4 - Monarch (USA) / 5 a 10 - Torque (Brasil)


Vertedouro 

  • Descarga Máxima: 9.350 m³/s
  • Comportas tipo segmento
  • Quantidade: 11
  • Largura: 10,67 m
  • Altura: 12,98 m
  • Raio: 10 m
  • Fabricante: Paceco (USA)


Vertedouro complementar 

  • Descarga Máxima: 3.1000 m³/s
  • Comportas tipo segmento
  • Quantidade: 2
  • Largura: 12 m
  • Altura: 16,50 m
  • Raio: 16 m
  • Fabricante: Bardella S.A.


Casa de força 

  • Tipo: semicoberta
  • Dimensão: 210 m x 25 m
  • Unidades geradoras: 10
  • Rotação: 128,6 RPM (unidades 1, 2, 5, 6, 7 e 8) / 138,5 RPM (unidades 3, 4, 9 e 10)
  • Potência nominal: 40 MW (unidades 1 e 2) / 48 MW (unidades 3 e 4) / 49 MW (unidades 5, 6, 7 e 8) / 52 MW (unidades 9 e 10)


Turbinas

  • Tipo - Francis de eixo vertical
  • Diâmetro do rotor: 3,911 m (unidades 1 e 2) / 3,947 m (unidades 3 e 4) / 4,013 m (unidades 5, 6, 7 e 8) / 3,950 m (unidades 9 e 10)
  • Fabricantes: 1 e 2 (Dominium/Canadá) / 3 e 4 (Morgan Smith/USA) / 5, 6, 7 e 8 (W.Stell/USA) / 9 e 10 (MEP/Brasil)


Geradores

  • Frequência - 60 Hz
  • Tensão nos terminais: 13,8 kV
  • Fabricantes: 1 a 4 (Westinghouse/USA) / 5, 6, 7 e 8 (General Electric/USA) / 9 e 10 (Brown Boveri/Brasil)
  • Transformadores: 24 (operação mais reserva)
  • Tipo: monofásico / trifásico
  • Capacidade total em operação: 797,92 MVA
  • Relação de transformação: 13,8 / 345 kV / 13,8 / 138 kV
  • Fabricante: ABB / Westinghouse / GE / Alsthon


Todos os dados acima foram coletados do site de Furnas, empresa responsável pela operação do empreendimento.

Fontes consultadas
CENTRO DA MEMÓRIA DA ELETRICIDADE NO BRASIL. Panorama do setor de energia elétrica do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro (RJ): Memória da Eletricidade, 2006. Sistema FURNAS Usina Mascarenhas de Moraes. Disponível em https://www.furnas.com.br/subsecao/126/usina-mascarenhas-de-moraes---476-mw?culture=pt
Coordenadas
-20.286163,-47.064536,16