Personalidades do Setor
Armando Ribeiro de Araújo
Compartilhar
Nome
Armando Ribeiro de Araújo
Nome para referências
ARAÚJO, Armando Ribeiro de, 1942
Nascimento
1942-07-22
Verbete

ARAÚJO, Armando Ribeiro de Chefe do Departamento de Coordenação de Sistemas da Eletrobrás; diretor de Operação da Ceb; presidente da Eletronorte; secretário nacional de Energia.

Armando Ribeiro de Araújo nasceu no Rio de Janeiro (DF) no dia 22 de julho de 1942. Formou-se engenheiro eletricista pela Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1965. Iniciou sua carreira profissional em janeiro desse ano como estagiário na General Electric (GE). Depois de se formar, ascendeu à função de engenheiro da Seção de Engenharia Aplicada, tendo se tornado responsável pelos estudos de proteção de sistemas industriais, e passou a auxiliar na preparação de propostas de suprimento de sistemas. Exerceu essa função até fevereiro de 1967, quando deixou a empresa. No mês seguinte ingressou na Engenharia Especializada Brasileira (Engebrás) como chefe da Seção Técnica de Projeto. Nessa condição, participou da elaboração dos projetos da Refinaria Gabriel Passos, em Betim (MG), e da Refinaria Alberto Pasqualini, em Canoas (RS), tendo sido responsável pela inspeção em fábrica e pela recepção de todos os equipamentos elétricos dessas instalações.

Em junho desse ano obteve o mestrado em Engenharia Elétrica no Illinois Institute of Technology (IIT), em Chicago (EUA). No mês seguinte deixou a Engebrás. Em agosto de 1968 ingressou na Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobrás) e passou a integrar o grupo Meco-Caeeb, de apoio direto à Diretoria de Planejamento e Engenharia da empresa. Esse grupo, composto de engenheiros brasileiros e consultores da Montreal Engineering Company Ltd., do Canadá, realizou vários estudos de planejamento de sistemas de transmissão e participou dos painéis de definição do sistema de transmissão da Usina Hidrelétrica Itaipu.

Em 1970, foi nomeado chefe do Departamento de Coordenação de Sistemas da Eletrobrás, setor responsável pela operação interligada dos sistemas elétricos brasileiros. Durante essa sua gestão foi criado o Grupo Coordenador para Operação Interligada (GCOI), tendo Armando Ribeiro de Araújo se tornado o primeiro secretário-executivo desse colegiado. Nessa condição, atuou na interligação dos sistemas de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro e, posteriormente, na interligação com o Sul do país. Colaborou também na elaboração do projeto de lei que regulamentou a distribuição da energia elétrica da Usina Hidrelétrica Itaipu e da elaboração do projeto de decreto que regulamentou o GCOI. Permaneceu na Eletrobrás até agosto de 1974 e, em setembro seguinte, assumiu a função de assistente de Planejamento da Presidência da Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. (Eletronorte). Nessa função, entre outras tarefas desempenhadas, criou a área de planejamento da empresa e foi o responsável pelo planejamento dos sistemas de transmissão da Usina Hidrelétrica Tucuruí, da Usina Hidrelétrica Balbina e da Usina Hidrelétrica Samuel.

Ainda em 1974 concluiu o doutorado e a livre-docência em Engenharia Elétrica na Escola Federal de Engenharia de Itajubá (MG). De 1968 a 1974 lecionou diversas disciplinas no curso de Engenharia Elétrica da UFRJ e, de 1968 a 1975, na Universidade do Estado da Guanabara (UEG), atual Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Em 1971 foi professor do curso de mestrado em Engenharia Elétrica da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). De 1975 a 1986 lecionou diversas disciplinas na graduação e no mestrado em Engenharia Elétrica da Universidade de Brasília (UnB). De abril a junho de 1978 fez o curso de Administração Pública e Finanças na Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro (RJ), e o de Finanças de Empresas, de outubro a dezembro desse mesmo ano, no Centre D'Enseignement Supérieur des Affairs.

Deixando a Eletronorte em abril de 1979, no mesmo mês ingressou na Companhia de Eletricidade de Brasília (Ceb) como diretor de Operação. Nessa condição, tornou-se responsável pela operação do sistema de transmissão em 138 KV e 34,5 KV da capital federal, pela operação da Usina Hidrelétrica Paranoá, da Usina Termelétrica do Setor Industrial e do Sistema de Distribuição e Comercialização de Brasília e das nove cidades-satélites da região. Durante esse seu período na Ceb, foi eleito presidente do Comitê de Distribuição (Codi). Permaneceu na Ceb até dezembro de 1982, quando retornou à Eletronorte como coordenador geral da Presidência. Nessa função, além de ser o responsável por todo o planejamento elétrico, energético e empresarial, coordenou os estudos de impacto ambiental e as operações de fechamento dos reservatórios da Usina Hidrelétrica Tucuruí, da Usina Hidrelétrica Balbina e da Usina Hidrelétrica Samuel.

Foi também responsável pela criação da área de meio ambiente da empresa. Exerceu esse cargo até maio de 1986 e, em seguida, foi trabalhar no Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (Bird). Licenciou-se dessa entidade em julho de 1990 para servir ao governo brasileiro, tendo sido eleito e empossado no mesmo mês na Presidência da Eletronorte, em substituição a Nelson Farhat. Durante sua gestão, promoveu uma reforma substancial na empresa e concentrou suas ações na conclusão de obras que então se encontravam em andamento. Permaneceu no cargo até abril de 1991, tendo sido posteriormente substituído por Afonso Tiago Pinto Simas. No mesmo mês assumiu o cargo de Secretário Nacional de Energia do Ministério da Infra-Estrutura (Minfra), em substituição a Rubens Vaz da Costa. Durante essa sua gestão, coordenou a atualização da Matriz Energética Brasileira, concluída em 1992, a qual recomendou o aumento da participação do gás natural como fonte primária de energia.

Participou das negociações com o governo da Bolívia para a construção do gasoduto entre os dois países, que culminaram com a assinatura do acordo em Santa Cruz de la Sierra, naquele país, em 17 de agosto de 1992. No mesmo período, um grupo de trabalho da Secretaria Nacional de Energia recomendou a reforma do setor de energia elétrica com a separação dos segmentos de geração, transmissão e distribuição e, como decorrência dessa orientação, foi preparado um projeto de lei nesse sentido, para ser submetido ao Congresso Nacional. Na área de combustíveis, foi eliminada a unificação de preços em nível nacional e introduzida a competição entre os postos de distribuição. Durante sua permanência na Secretaria integrou o Conselho de Administração da Itaipu Binacional e foi presidente do Conselho de Administração de Furnas Centrais Elétricas S. A. (Furnas), do Conselho de Administração da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) e do Conselho de Administração da Eletronorte. Permaneceu no cargo até agosto de 1992. Em seguida, reassumiu suas funções no Bird, tendo ocupado o cargo de Diretor de Políticas de Licitações e Contratações.

Trajetória profissional

Furnas Centrais Elétricas S.A.

Cargo: Presidente do Conselho de Administração de Furnas

Início: 1991

Término: 1992

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Cargo: Presidente do Conselho de Administração da Chesf

Início: 1991

Término: 1992

Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A.

Cargo: Presidente do Conselho de Administração da Eletronorte

Início: 1991

Término: 1992

Ministério da Infra-Estrutura

Cargo: Secretário Nacional de Energia do Minfra

Início: 1991

Término: 1992

Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A.

Cargo: Presidente da Eletronorte

Início: 1990

Término: 1991

Companhia de Eletricidade de Brasília

Cargo: Diretor de Operação da CEB

Início: 1979

Término: 1982

Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A.

Cargo: Assistente de Planejamento da Presidência da Eletronorte

Início: 1974

Término: 1979

Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A.

Cargo: Chefe do Departamento de Coordenação de Sistemas da Eletrobras

Início: 1970

Término: 1974

Formação Acadêmica

Curso: Engenharia Elétrica (doutorado e livre docência), na Escola Federal de Engenharia de Itajubá, Itajubá (MG), em 1974

Curso: Engenharia Elétrica (mestrado), na Illinois Institute of Technology, Chicago - EUA, em 1967

Curso: Engenharia Elétrica, na Escola de Engenharia de UFRJ, Rio de Janeiro (GB), em 1965

Local de nascimento
Rio de Janeiro (RJ)