Eletrosul, passado & presente

Postado em 23/12/2020
Paulo Brandi
Compartilhar

Geração Hidrelétrica Mauá. Foto: site da Eletrosul

Há 52 anos, às vésperas do Natal de 1968, a Centrais Elétricas do Sul do Brasil (Eletrosul) foi criada em solenidade realizada no escritório central da Eletrobras no Rio de Janeiro, que contou com a presença do ministro das Minas e Energia, general José Costa Cavalcanti, e dos dirigentes das principais empresas federais de energia elétrica, entre os quais, Mario Bhering (Eletrobras), John Cotrim (Furnas) e Apolônio Sales (Chesf). Em 23 de dezembro, já empossada a diretoria, a Eletrosul ganhou a escritura de constituição, firmada por representantes da Eletrobras e da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), responsáveis pela subscrição da quase totalidade das ações da companhia. 

Começava ali, no limiar do ano novo, a trajetória de uma das mais importantes empresas do setor elétrico brasileiro, responsável pela realização de grandes aproveitamentos hidrelétricos e linhas de transmissão do Sistema Interligado Nacional. Após sucessivas mudanças institucionais, que incluíram a privatização de seu parque gerador em 1998, a Eletrosul juntou-se à Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE), em 2020, para formar a Companhia de Geração e Transmissão de Energia Elétrica do Sul do Brasil (CGT Eletrosul).

Expansão para a região Amazônica

Tendo com primeiro presidente o engenheiro gaúcho Mário Lannes Cunha, a Eletrosul foi autorizada a funcionar em abril de 1969, iniciando extenso programa de obras de geração e transmissão de energia que mudaram por completo o panorama da indústria de eletricidade no Sul do país. Presente no Mato Grosso do Sul a partir de 1980, a empresa ampliou seu espaço de atuação na primeira década do século XXI, firmando parcerias para a consecução de grandes empreendimentos hidrelétricos na região Amazônica, nomeadamente as usinas de Jirau e Teles Pires.

De imediato, a Eletrosul integrou o quadro de subsidiárias regionais da Eletrobras, juntamente com a Chesf, empresa supridora de energia no Nordeste, e Furnas, que desempenhava papel análogo no Sudeste e no Centro-Oeste. Seu parque elétrico cresceu em ritmo acelerado até 1982, quando atingiu a marca de 3.222 MW de capacidade geradora, correspondentes a 47% de toda a potência instalada nos quatro estados que compunham sua área de atuação. Essa expansão foi assegurada basicamente pelas usinas de Salto Osório e Salto Santiago, localizadas no rio Iguaçu, estado do Paraná, e pela ampliação da usina Jorge Lacerda, termelétrica a carvão em Santa Catarina. 

Quinta maior hidrelétrica do país

Isoladamente ou em parceria com outros empreendedores, a Eletrosul teve uma participação proeminente em leilões de geração e transmissão promovidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Em 2008, a companhia integrou o consórcio vencedor do leilão da usina de Jirau, no rio Madeira, em Rondônia. Inaugurada em 2013, Jirau possui potência instalada de 3.750 MW, destacando-se como quinta maior hidrelétrica do país. A usina de Teles Pires, localizada no rio de mesmo nome, na divisa dos estados de Mato Grosso e Pará, entrou em operação em 2015, atingindo a capacidade final de 1.820 MW dois anos depois.

Em janeiro de 2020, a Eletrobras promoveu a união entre a Eletrosul e a CGTEE, proprietária de quatro usinas a carvão no Rio Grande do Sul, uma das quais desativada (Presidente Médici) e as demais em fase de desmobilização. Assim surgiu a sucessora da Eletrosul, designada CGT Eletrosul, com sede em Florianópolis, aglutinando os ativos de geração e transmissão das duas empresas, vale dizer, mais de 12 mil km de linhas de transmissão, 46 subestações e uma matriz energética predominantemente limpa, proveniente de fontes hídrica, eólica e solar.

Referências:

CENTRO DA MEMÓRIA DA ELETRICIDADE NO BARSIL. Panorama do setor de energia elétrica no Brasil=Panorama of electric power sector in Brazil. 2. ed. Rio de Janeiro, 2006

ELETROSUL é a mais nova subsidiária. Jornal Eletrobras. Rio de Janeiro. Ano III, nº 13, Jan.-Fev. 1969.

ELETROSUL 50 anos. Rio de Janeiro: Centro da Memória da Eletricidade no Brasil, 2018.

GODOI, Maurício. Eletrobras cria nova subsidiária para região Sul. Canal Energia, 2 jan. 2020. Disponível em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53122631/eletrobras-cria-nova-subsidiaria-para-regiao-sul Acesso em 20 de dezembro de 2020

Portal CGT Eletrosul 

http://www.eletrosul.gov.br/a-empresa/quem-somos/historico/-cgt-eletrosul

Acesso em 20 de dezembro de 2020

Eletrosul 50 Anos, publicação da Memória da Eletricidade.

Paulo Brandi