Memória da Eletricidade lança e-book sobre a Semana de 22

Postado em 27/06/2022
Por Luiz Henrique Romagnoli
Compartilhar

O jornalista e crítico musical João Marcos Coelho, autor de "Semana de 22: presente, passado e futuro"

A Memória da Eletricidade lança hoje o livro digital "Semana de 22: presente, passado, futuro", editado a partir das conversas ocorridas durante as lives da série de mesmo nome, que aconteceu entre março e novembro de 202 1. Com curadoria e apresentação do jornalista e crítico musical João Marcos Coelho, a série contou com 28 episódios, divididos em três temporadas. Em cada programa, Coelho recebeu um especialista ou artista para debater temas relativos ao evento fundador do modernismo no Brasil. O e-book, idealizado pelo presidente da Memória da Eletricidade, Augusto Rodrigues, e por João Marcos Coelho, é assinado pelo jornalista. "Semana de 22: presente, passado, futuro" reúne dez das 28 conversas que foram transmitidas pelo canal da Memória da Eletricidade no Youtube: Livio Tragtenberg (compositor e saxofonista), Flavia Toni (doutora em Artes e professora da USP), Eduardo Jardim (filósofo), Fred Coelho (historiador), Silviano Santiago (ensaísta e crítico literário), Milton Lahuerta (cientista político), Rafael Cardoso (escritor e historiador da arte), Fabiana Cozza (cantora), Júlio Medaglia (maestro) e Teixeira Coelho (crítico de arte e professor da USP). O e-book pode ser baixado gratuitamente clicando aqui.

João Marcos conta que a iniciativa de alguns dos diálogos num livro foi um desdobramento lógico do projeto.

– Foi um parto natural, pode-se dize. Foi uma deliciosa viagem, que proporcionou uma história do passado, presente e futuro da Semana de 22 enquanto evento-chave da modernidade no Brasil – diz Coelho. – E, de repente, me dei conta de que havia montado um mosaico significativo, uma história oral da Semana de 22 desde seus antecedentes até como pensar uma Semana de 22 hoje.  

'O Brasil precisa deixar de olhar para o retrovisor'

O jornalista conta que o processo de compilação e edição das conversar foi emocionante e instrutivo.

– A partir das lives, era lógico fazer uma seleção dessas 28 conversas realizadas durante 2021. Sem pensar em importância ou estabelecer juízos de valor nesta escolha. Porque conversas são momentos únicos, em que o bate-bola descontrai o entrevistado, em maior ou menor medida. Há momentos emocionantes, como Eduardo Jardim lendo o último poema de Mário de Andrade – lembra Coelho. – Ou Teixeira Coelho, que nos deixou no dia 6 de junho passado, que fez de sua vida e de nossa conversa um tributo à postura de olhar para a frente: “o Brasil precisa deixar de olhar para o retrovisor”, ele disse. Revi a live, disponível no canal da Memória da Eletricidade, e me emocionei muito. É uma lição de vida e uma precisa, arrojada conversa sobre como a arte é absolutamente essencial à humanidade, e como os artistas criadores são um maravilhoso sismógrafo não só do nosso presente, mas do futuro de todos nós.

João Marcos Coelho destaca que, ao longo destes cem anos, a percepção sobre a Semana de 22 por parte de artistas e pensadores foi se modificando. Com o passar do tempo, a Semana ganhou em importância.

– Aprendi muito com cada uma das conversas. O conceito de “Semana sem fim”, de Fred Coelho, por exemplo. Ou a fina análise da poesia e da literatura pós-morte de Mário de Andrade, pelo notável Silviano Santiago. Saio definitivamente modificado por exta experiência vivenciada graças à Memória da Eletricidade. A Semana não teve, no ano de 1922, a importância que hoje lhe atribuímos – constata. – Seu status de evento detonador da modernidade no Brasil só se concretizou pelo destino de cada um de seus personagens-chaves nas décadas seguintes: Oswald e Mário de Andrade, Tarsila e Anita Malfatti, Brecheret, entre tantos outros. Quando a primeira geração era passado, já nos anos 1960, a Semana explodia na peça “Rei da Vela”, de José Celso, no “Macunaíma” de Joaquim Pedro de Andrade na telona e no teatro por Antunes Filho. Os exemplos poderiam se multiplicar. Aliás, eles estão todos presentes na série inteira das 28 lives. E, de forma condensada, nas dez que compõem o e-book.

Dois Coelhos e uma mesma paixão pelo novo

"Semana de 22: presente, passado, futuro" é dedicado a Teixeira Coelho:

– Citei numa das respostas um Coelho que não é meu parente. Mente brilhante, que conheci através da série de lives sobre a Semana de 22 e com o qual mantive muitas outras conversas virtuais, até sua passagem, em 6 de junho passado. Temos em comum a paixão pelo novo, pelo contemporâneo. Por isso dedico o livro a Teixeira Coelho.

João Marcos também é curador e apresentador de outra série que vem sendo transmitida pela Memória da Eletricidade: "Memória do Brasil" propõe uma reflexão sobre o país no momento em que se comemora 200 anos de independência. O jornalista conta ainda um pouco de seus outros projetos.

– Ao longo deste ano, estamos mapeando o período 1822-2022 numa série de 30 lives, distribuídas em três temporadas. A primeira, já concluída, sobre o Brasil no século XIX. A segunda, em curso, sobre o Brasil no século XX. E a temporada final, sobre o Brasil no século XXI. De outro lado, teimo em permanecer jornalista, como crítico musical do jornal "Estadão" e da revista “Concerto”. É uma paixão que me seduziu desde os 20 e poucos anos. E, nos últimos vinte anos, o rádio. Os dois programas semanais "O que há de novo" e “Música contemporânea”, colunas diárias no programa "Estação cultura" e a seção “CD da semana", ambas na Rádio Cultura FM de São Paulo, me proporcionam uma gratificação pessoal e profissional muito grande. 

Clique aqui para baixar gratuitamente o e-book "Semana de 22: presente, passado, futuro".

Por Luiz Henrique Romagnoli
?>