Ferro de passar


Primeiro ferro de passar elétrico. Acervo Museu de Ciências de Londres.

Antes da popularização do algodão, no século XVIII, os chineses já utilizavam uma panela de latão cheia de brasas para esticar seus tecidos. Foi com base nessa técnica que os ocidentais, com o objetivo de conferir melhor aparência às roupas usadas na época, inventaram os primeiros apetrechos portáteis de passar.

Chamados de ferros de engomar por serem feitos de ferro fundido ou bronze, esses aparelhos possuíam uma cavidade onde era possível acomodar pequenos pedaços de carvão em brasa. O carvão aquecia a chapa de metal e, assim, era possível passar camisas e calças. Entretanto, além do processo de aquecimento e acondicionamento das brasas ser demorado e trabalhoso, o carvão e o ferro frequentemente sujavam as roupas.

Assim, em 1882, logo após o advento da eletricidade, Henry W. Seely, inventor americano que morava na cidade de Nova York, desenvolveu o primeiro ferro de passar roupas elétrico. Seu aparelho

substituiu as brasas por uma resistência à base de carbono, que produzia calor suficiente para esquentar a chapa de metal.

Embora eficiente, os usuários do ferro de passar de Seely tinham dificuldade para controlar sua temperatura, o que provocava queimaduras e estragava alguns tecidos. O problema só foi resolvido definitivamente quando, no início da década de 1930, um pequeno termostato giratório foi incluído no aparelho.

CURIOSIDADE
Os ferros a carvão ainda são usados nos países onde a eletricidade não é barata e acessível.




Membros Instituidores e Mantenedores:

ABCE CEMIG LIGHT ITAIPU BINACIONAL ELETROBRAS

Esta página está homologada para ser utilizada no navegador (browser) Mozila Firefox.
Caso você não o tenha instalado em sua máquina, utilize o link abaixo para baixá-lo.

Firefox