Capital estrangeiro e grupos privados nacionais (1898-1929)

1904

Fachada principal do prédio sede da Light na avenida Marechal Floriano, cidade do Rio de Janeiro (RJ). Década de 1910. Acervo Museu da Imagem e do Som (RJ)

Criação em Toronto (Canadá), da empresa Rio de Janeiro Tramway, Light & Power Company, com capitais canadense e norte-americano. Atuou nos serviços de fornecimento de energia elétrica, iluminação, transportes e telefonia no município do Rio de Janeiro (RJ). Adquiriu diversas empresas como a Rio de Janeiro Gaz Company, responsável pelos serviços de gás e iluminação elétrica; a Companhia de Bondes de Vila Isabel, a Estrada de Ferro do Corcovado, a Companhia Ferro-Carril Carioca e a Companhia Ferro-Carril do Jardim Botânico, no setor de transportes; além da Rio de Janeiro Telephone Company. A partir de 1912, passou ao controle da Brazilian Traction, Light & Power Company Ltd., holding do grupo Light no Brasil. Nas décadas de 1920 e 1930, absorveu, no interior do estado do Rio de Janeiro, a Companhia Industrial de Eletricidade, a Empresa Força e Luz Floriano, a Empresa Fluminense de Força e Luz, a Sociedade Comercial e Industrial Suíça e a Companhia Fiação e Tecidos São José. Foi sucedida pela Companhia Carris, Luz e Força do Rio de Janeiro, organizada entre 1937 e 1938.
Vista dos condutos forçados da Usina Hidrelétrica Piabanha, localizada no rio Piabanha, município de Três Rios (RJ). Julho de 1907. Acervo Memória da Eletricidade

Criação da empresa Guinle & Companhia, sucessora da Aschoff & Guinle, originada, por sua vez, da firma Gafrée & Guinle, criada em 1872 por Cândido Gafrée e Eduardo Guinle, com atuação na importação de tecidos e na construção de estradas de ferro, além de concessionária, através da Companhia Docas de Santos, da construção e exploração do porto de Santos. A Guinle & Companhia dedicou-se ao comércio de artigos elétricos, representando fabricantes estrangeiros, como a General Electric, e à construção de usinas e linhas de transmissão nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Em 1908, com projeto do engenheiro César Rabelo, a empresa inaugurou a Usina Hidrelétrica Piabanha, com 9.000 kW, no rio Piabanha, município de Três Rios (RJ). Uma das maiores usinas do país à época, era responsável pela maior parte do fornecimento de energia elétrica no estado do Rio de Janeiro. Em 1909, a Guinle & Companhia tornou-se acionista majoritária da Companhia Brasileira de Energia Elétrica (CBEE), para a qual foram transferidas suas concessões para serviços de energia elétrica, bondes e telefonia. Em 1927, a Guinle & Companhia transferiu o controle acionário da CBEE para a American & Foreign Power Company (Amforp).

Fachada principal da Usina Hidrelétrica Piabanha, localizada no rio Piabanha, município de Três Rios (RJ). S/d. Acervo Memória da Eletricidade











Membros Instituidores e Mantenedores:

ABCE CEMIG LIGHT ITAIPU BINACIONAL ELETROBRAS

Esta página está homologada para ser utilizada no navegador (browser) Mozila Firefox.
Caso você não o tenha instalado em sua máquina, utilize o link abaixo para baixá-lo.

Firefox