Capital estrangeiro e grupos privados nacionais (1898-1929)

1904

Fachada principal do prédio sede da Light na avenida Marechal Floriano, cidade do Rio de Janeiro (RJ). Década de 1910. Acervo Museu da Imagem e do Som (RJ)

Criação em Toronto (Canadá), da empresa Rio de Janeiro Tramway, Light & Power Company, com capitais canadense e norte-americano. Conhecida como Rio Light, atuou nos serviços de fornecimento de energia elétrica, iluminação, transportes e telefonia no município do Rio de Janeiro (RJ). Adquiriu diversas empresas como a Rio de Janeiro Gaz Company, responsável pelos serviços de gás e iluminação elétrica; a Companhia de Bondes de Vila Isabel, a Estrada de Ferro do Corcovado, a Companhia Ferro-Carril Carioca e a Companhia Ferro-Carril do Jardim Botânico, no setor de transportes; além da Rio de Janeiro Telephone Company. A partir de 1912, passou ao controle da Brazilian Traction, Light & Power Company Ltd., holding do grupo Light no Brasil. Nas décadas de 1920 e 1930, absorveu, no interior do estado do Rio de Janeiro, a Companhia Industrial de Eletricidade, a Empresa Força e Luz Floriano, a Empresa Fluminense de Força e Luz, a Sociedade Comercial e Industrial Suíça e a Companhia Fiação e Tecidos São José.
Vista dos condutos forçados da Usina Hidrelétrica Piabanha, localizada no rio Piabanha, município de Três Rios (RJ). Julho de 1907. Acervo Memória da Eletricidade

Criação da empresa Guinle & Companhia, sucessora da Aschoff & Guinle, originada, por sua vez, da firma Gaffrée & Guinle, criada em 1872 por Cândido Gaffrée e Eduardo Guinle, com atuação na importação de tecidos e na construção de estradas de ferro, além de concessionária, através da Companhia Docas de Santos, da construção e exploração do porto de Santos. A Guinle & Companhia dedicou-se ao comércio de artigos elétricos, representando fabricantes estrangeiros, como a General Electric, e à construção de usinas e linhas de transmissão nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Em 1908, com projeto do engenheiro César Rabelo, a empresa inaugurou a Usina Hidrelétrica Piabanha, com 9.000 kW, no rio Piabanha, município de Três Rios (RJ). Uma das maiores usinas do país à época, era responsável pela maior parte do fornecimento de energia elétrica no estado do Rio de Janeiro. Em 1909, a Guinle & Companhia tornou-se acionista majoritária da Companhia Brasileira de Energia Elétrica (CBEE), para a qual foram transferidas suas concessões para serviços de energia elétrica, bondes e telefonia. Em 1927, a Guinle & Companhia transferiu o controle acionário da CBEE para a American & Foreign Power Company (Amforp).

Fachada principal da Usina Hidrelétrica Piabanha, localizada no rio Piabanha, município de Três Rios (RJ). S/d. Acervo Memória da Eletricidade











Membros Instituidores e Mantenedores:

ABCE CEMIG LIGHT ITAIPU BINACIONAL ELETROBRAS

Esta página está homologada para ser utilizada no navegador (browser) Mozila Firefox.
Caso você não o tenha instalado em sua máquina, utilize o link abaixo para baixá-lo.

Firefox