Consolidação e crise do modelo estatal (1964-1990)

1985

Criação, pela Portaria Interministerial nº 1.877, de 30 de dezembro, do Ministério das Minas e Energia (MME) e do Ministério da Indústria e Comércio (MIC), do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), gerenciado pelo Grupo Coordenador de Conservação de Energia Elétrica (GCCE), presidido pelo MME e com a Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobrás) à frente de sua secretaria-executiva. A constituição do Procel teve por objetivo atingir, por meio de ação coordenada, uma maior coerência na fixação de metas e programas, a definição de políticas fiscais e creditícias, o estímulo ao intercâmbio de experiências das concessionárias e a racionalização do uso da energia elétrica, com a eliminação do desperdício, ao incentivar o aumento da eficiência dos equipamentos elétricos e dos processos industriais. Em 1991, o Procel tornou-se um programa de governo, sob a égide do Programa Nacional de Racionalização de Produção e Uso da Energia (Proenergia), constituído no ano anterior. A partir de 1993, parte dos recursos da Reserva Global de Reversão (RGR) passou a ser utilizada para financiar projetos de conservação das concessionárias. Neste ano, também, foram criados o Selo Procel de Economia de Energia e o Prêmio Nacional de Conservação e Uso Racional de Energia.
Interior da Usina Termonuclear Álvaro Alberto, mais conhecida como Angra I, construída na região da baía de Ilha Grande, município de Angra dos Reis (RJ). S/d. Acervo Furnas

Entrada em operação da Usina Termonuclear Álvaro Alberto, mais conhecida como Usina Termonuclear Angra I, de Furnas – Centrais Elétricas S.A. (Furnas), primeira usina nuclear do Brasil, com 657.000 kW de capacidade inicial instalada e localizada na região da baía da Ilha Grande, no município de Angra dos Reis (RJ). A efetivação do programa nuclear brasileiro tem seu marco em janeiro de 1969, com a atribuição à Central Elétrica de Furnas S.A. (Furnas) da construção da usina. As obras foram iniciadas no ano seguinte, com a utilização de tecnologia americana, optando-se pelo combustível urânio enriquecido a 3% e tendo como refrigerante e moderador a água leve (natural). A usina entrou em fase de testes em 1981 e em operação experimental em 1982. Em 1997, o segmento nuclear de Furnas – Centrais Elétricas S.A. (Furnas) foi incorporado à Nuclen Engenharia e Serviços S.A. (Nuclen), dando origem à Eletrobrás Termonuclear S.A. (Eletronuclear), que passou a controlar a usina.

Vista da Usina Termonuclear Álvaro Alberto, mais conhecida como Angra I, construída na região da baía de Ilha Grande, município de Angra dos Reis (RJ). S/d. Acervo Furnas






Criação da Associação Nacional das Empresas Estaduais de Energia Elétrica (Acesa) tendo como principais objetivos congregar, orientar e defender suas associadas; fomentar a mútua colaboração e assistência entre elas e colaborar com os poderes públicos no estudo e solução dos problemas que tivessem relação direta ou indireta com a energia elétrica ou outras formas de energia.




Membros Instituidores e Mantenedores:

ABCE CEMIG LIGHT ITAIPU BINACIONAL ELETROBRAS

Esta página está homologada para ser utilizada no navegador (browser) Mozila Firefox.
Caso você não o tenha instalado em sua máquina, utilize o link abaixo para baixá-lo.

Firefox