Capital estrangeiro e grupos privados nacionais (1898-1929)

1913

Vista da Usina Hidrelétrica Delmiro Gouveia, na queda d’água de Angiquinho, rio São Francisco. S/d. Acervo Eletrobras

Entrada em operação da Usina Hidrelétrica Angiquinho, marco da geração de energia elétrica na região Nordeste. Aproveitando o potencial hidrelétrico da Cachoeira de Paulo Afonso, no rio São Francisco, na divisa dos estados de Alagoas, Sergipe, Pernambuco e Bahia, a usina, já desativada, contava com três turbinas que totalizavam 1.500 HP e foi usada, inicialmente, para acionar as máquinas da fábrica de linhas e fios da Companhia Agro-Fabril Mercantil, do industrial Delmiro Gouveia, construtor da usina. Posteriormente, a energia foi utilizada para o fornecimento de luz elétrica à vila Operária de Pedra, no atual município de Delmiro Gouveia (AL), onde residiam os trabalhadores da fábrica.



 
Instalações da Usina Hidrelétrica Delmiro Gouveia. 1997. Produzido pela RTV Produções. Tempo: 1'. Acervo Chesf
Bonde Elétrico inglês em Recife (PE). 1924.Acervo Biblioteca Estadual de Recife

Criação da Pernambuco Tramways & Power Company Ltd., a partir de contrato assinado, com prazo de 50 anos, entre o governo do Estado de Pernambuco e a firma inglesa Bruce Peebles Co. Ltd., como concessionária dos serviços de iluminação pública e particular de Recife (PE), além do fornecimento de gás, da telefonia e dos transportes coletivos da cidade. Passou ao controle do grupo Amforp no final da década de 1920. Foi transferida para a União em 1964, em decorrência da compra da American & Foreign Power Company (Amforp) pelo governo federal, tendo sido absorvida pela Companhia de Eletricidade de Pernambuco S.A. (Celpe) em 1968.
Aquisição do controle acionário da Empresa Elétrica de Piracicaba pela empresa inglesa The Southern Brazil Electric, através de seu representante no Brasil, Alberto Byington, proprietário da Byington & Companhia. A Empresa Elétrica de Piracicaba, de 1903, havia sucedido a Empresa Elétrica Luís de Queiroz, de 1890. Adquiriu também as ações da Companhia Mogiana de Luz e Força e da Companhia Campineira de Tração, Luz e Força. Em 1892, as empresas passaram ao controle do grupo Amforp, tendo sido incorporadas pela Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) em 1950.




Membros Instituidores e Mantenedores:

ABCE CEMIG LIGHT ITAIPU BINACIONAL ELETROBRAS

Esta página está homologada para ser utilizada no navegador (browser) Mozila Firefox.
Caso você não o tenha instalado em sua máquina, utilize o link abaixo para baixá-lo.

Firefox